Catedral Santo Antônio

0 49

“Vos darei pastores conforme o meu coração” Jr 3,15

Na manhã desse sábado, 23, duas novas vozes se juntaram ao coro de padres que entoavam a Oração Eucarística na Catedral Santo Antônio, na Diocese de Osasco. Os neo-sacerdotes Pe. Ricardo Rodrigues e Luiz Roberto, ambos da paróquia de origem São José Operário do Munhoz Junior, foram ordenados sacerdotes pelas mãos de D. João Bosco, bispo diocesano e entoaram hoje, pela primeira vez, a consagração eucarística.

No dia em que a Igreja comemora do Dia de São Pio de Pietrelcina, presbítero exemplar e no ano dedicado a Nossa Senhora Aparecida, em honra aos seus trezentos anos, a Igreja Particular de Osasco acolheu em seu seio os dois novos sacerdotes.

Também estiveram presentes na missa de ordenação D. Ercilio Turco, bispo emérito da Diocese de Osasco, Monsenhor Claudemir, Vigário Geral e diversos padres da Diocese.

Na homilia D. João lembrou que o presbiterado é tão sofrido, mas que traz tanta alegria ao coração, cada momento constrói o momento da vocação, transformação de um coração no coração de Cristo Pastor “Deus, o Altíssimo se faz presente no coração de um ser humano frágil. Quem pode nos ensinar um pouquinho dessa missão é a própria Virgem Maria, também pra ela, nós a celebramos neste ano com tanto alegria e tanta benção, também pra ela houve um anuncio, um convite suave e ao mesmo tempo forte ao qual o convite ela teve que responder com todo ser de si mesmo, eu aceito, eu quero, eu busco. Também ela, Maria, ao acolher este convite sentiu o peso desta responsabilidade, mas ao mesmo tempo o esvaziamento de si mesmo pra ser a mãe do Filho de Deus”, disse.

Além disso, “Deus, o Onipotente, se dobra a ponto de esperar uma resposta, uma resposta que em Maria Santíssima foi plena. Em nossa vida sacerdotal ela é diária e se plenifica a cada dia, na vida de outros tantos talvez não aconteça”, diz D. João ao falar da vocação.

As primeiras missas dos Neossacerdotes aconteceram pelo Pe. Luiz Roberto no próprio dia 23 de Setembro na Igreja Sagrado Coração de Jesus, no Jd. Mutinga e no domingo, 24, na Igreja Matriz Nossa Senhora Aparecida no Jd. Piratininga e na Igreja Matriz Santa Isabel. Pe Ricardo celebrou no dia 24, domingo, na Igreja Sagrado Coração de Jesus e na Catedral Santo Antonio.

A Igreja concede aos fiéis que participaram da missa e receberam a benção neo-sacerdotal as indulgências plenárias.

Ver fotos: https://goo.gl/2TY9kh

0 507

O bispo Dom João Bosco convida para a Semana dos Ministérios acontecerá de 07 a 10/11/16 nas regiões pastorais. O encerramento será no dia 11/11 na Catedral Santo Antônio com a passagem de todos os ministros extraordinários da diocese pela Porta Santa da Misericórdia.

 

0 671

24 horas para o Senhor

No ano Jubilar da Misericórdia o Papa Francisco promoveu uma iniciativa das “24 Horas para o Senhor”, nos dias 04 e 05 de Março as igrejas do mundo inteiro se uniram para celebrar a misericórdia de Deus, através de missas, confissões e adoração, mesmo durante a madrugada. A Região Santo Antônio, da Diocese de Osasco, se reuniu das 12 horas do dia 04, com encerramento com a missa às 12h do sábado, 05, celebrada por D. João Bosco, Bispo Diocesano, na Catedral Santo Antônio.

Na homilia, D. João, lembrou o pedido do Papa pela reconciliação com Deus “este ano da misericórdia o sacramento da Penitência deve ser trazido para o centro da nossa vida cristã, juntamente com o alimento da Eucaristia, por que os dois sacramentos, aqueles que são os mais presentes na nossa vida, no nosso caminhar cristã, aqueles (sacramentos) que atualizam constantemente nossa vida sacramental recebida no batismo e depois consagrada na missão, no crisma, e nos outros sacramentos que nos acompanham”, falou.

24 horas para o Senhor (2)O bispo lembra que estes dois sacramentos atualizam o coração afinado com a misericórdia de Deus “Tantas vezes este sacramento da reconciliação tem ficado a margem, sem que nós tenhamos consciência do quanto de misericórdia Deus nos quer oferecer, do quanto Ele nos pode dar por tão pouco que nós fazemos, que é reconhecer a necessidade da misericórdia de Deus”, disse o bispo.

 

D. João agradeceu a presença dos padres nas 24 horas ininterruptas e salientou que aos que ainda não se confessarem que busque esse sacramento tão fabuloso.

0 992

Com a Catedral Santo Antônio repleta, deu-se início oficialmente, ao Jubileu da Misericórdia da Diocese de Osasco.

Abertura Porta Santa (7)

Bispos, presbíteros, diáconos, seminaristas, religiosos, religiosas e milhares de fiéis dos 13 municípios que compõem a diocese, participaram da cerimônia de abertura da Porta Santa e da missa solene que aconteceu nesta sexta-feira, 11 de dezembro. Uma grande celebração e manifestação da Misericórdia Divina, iniciando o Ano Jubilar promulgado pelo Santo Padre, no dia 11 de abril de 2015.

 

O rito teve início na Praça Duque de Caxias, em frente à Catedral, com a saudação e exortação do bispo, a proclamação do Evangelho e a leitura do trecho da Bula de promulgação do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o Misericordiae Vultus. Logo após, todos se dirigiram em uma pequena peregrinação até a igreja onde aconteceu o rito de abertura da Porta Santa, que foi solenemente aberta sob as palavras de Dom João Bosco, bispo diocesano: “Esta é a porta do Senhor: por ela, entramos para alcançar misericórdia e perdão”. Por fim, a procissão de entrada e os fiéis, atravessaram a porta.

Abertura Porta Santa (4)

Dom João Bosco apresentou as duas faces contidas no Ano da Misericórdia proposto pelo Papa Francisco: o exigente penitencial que nos pede a conversão, apresentado por João Batista, e o exigente amoroso; trazido por Jesus Cristo que por meio da bondade, perdão e o convívio com os pecadores, demonstra com a vida a misericórdia de Deus. “Ele nos pede que nós busquemos trazer no nosso rosto os sinais, a semelhança do rosto do Pai.”

E completou dizendo que em algum lugar nessa trajetória nós perdemos essa semelhança e que é preciso recuperá-la. “Em algum lugar da história, aliás, desde o inicio, nós nos perdemos diante deste plano amoroso do Pai”, enfatizou. O bispo destacou ainda, a mensagem profunda traduzida na imagem que compõe o símbolo do Ano da Misericórdia, o olhar de Deus feito homem que se encontra com o olhar do homem que estava caído e abatido. E frisou que o Jubileu é para todos, também para aqueles que não querem se reconciliar com a Misericórdia. “Nós é que vamos chamá-los”, afirmou.

Neste Ano Jubilar, a Igreja concede aos peregrinos as indulgências, a partir do cumprimento das exigências orientadas pela Bula. Sobre esse tema, Dom João declara que o sacramento da reconciliação deve ser o caminho mais bonito. “Nós temos o instrumento mais valioso para nos achegarmos à misericórdia de Deus”. A celebração marcou também a promulgação do 8º Plano da Ação Evangelizadora da Diocese de Osasco, que traz as diretrizes a serem seguidas pelo corpo eclesial e pelas paróquias. O Plano Pastoral terá vigência de quatros anos e o objetivo principal é exercer a missão de evangelizar em comunhão com toda a Igreja.

“Cada palavra exala o dom da misericórdia”, disse o bispo durante entrega simbólica do documento aos coordenadores das seis regiões pastorais, a quem pediu que zelassem e fizessem chegar este “alimento sólido” a toda a Igreja diocesana.

Os padres foram presenteados com uma porta santa em madeira, personalizada com o brasão da diocese, como recordação e sinal deste momento marcante na vida da Igreja de Cristo.

 

Assista ao vídeo da abertura da Porta Santa

 

0 717
DomLuizFernandoLisboa_
Foto: Kátia Costa / Pascom Frei Galvão

A última sexta-feira do mês dedicado às vocações foi marcada por uma visita mais que especial para a Diocese de Osasco. Dom Luiz Fernando Lisboa, hoje bispo da Diocese de Pemba, em Moçambique, na África, visitou a catedral Santo Antônio e celebrou a Santa Missa junto com Dom João Bosco.

Dom Luiz é natural do Rio de Janeiro mas mudou-se para São Paulo ainda na juventude . Na Catedral Santo Antônio foi ordenado diácono, padre e bispo. Após dois anos de sua ordenação episcopal e nomeação para Diocese de Pemba, onde já havia atuado como padre missionário por oito anos, ele comentou sobre a alegria de voltar à Osasco e de ter esta diocese como diocese irmã e parceira na missão.

“Como é bonito este encontro de Igrejas. Venho de uma diocese pobre com poucos recursos. São cerca de 82 mil km² de extensão, e temos 24 padres para atender as paróquias que chegam a ter de 50 a 140 comunidades. É uma alegria contar com o apoio de Dom João e da Diocese de Osasco que já tem nos ajudado muito, sobretudo com orações. A Igreja só é madura quando sai de si, quando reparte e experimenta a  ajuda mútua”. Por  meio da Comissão Missionária Diocesana e Comissão Missionária Regional, Dom João Bosco tem incentivado os fiéis a buscarem uma experiência de missão e parceria com  a Diocese de Pemba.

Toda última sexta-feira do mês na catedral  a missa é celebrada em intenção das famílias e, durante a homilia, Dom Luiz comentou sobre bonita relação de Santa Mônica e Santo Agostinho, seu filho, cuja festa é celebrada em 28 de agosto. “Vejamos a beleza da oração dentro da família. Santa Mônica foi perseverante, não deixou de ter fé, e seu filho que vivia em outros caminhos se tornou um dos grandes pensadores da Igreja. Deus valoriza a família e quer que nos amemos nas atitudes simples e profundas regadas de amor, carinho, respeito e perdão, fatores que devem ser o combustível dos relacionamentos”.

Dom Luiz comentou, ainda, sobre a realidade da família africana. “Na África, não existe primos, tios e tias. Meu primo é meu irmão e minha tia é minha mãe. É bonito perceber a proximidade entre os membros e o respeito com os idosos, que são sempre consultados para conselhos. É bonito ver também como as mães carregam as crianças pequenas – amarradas com um pano nas costas, com grande contato físico. Percebemos o quanto este contato faz diferença na vida das crianças que crescem mais calmas e tranquilas”

Em comemoração ao seu segundo ano de ordenação episcopal, a equipe de liturgia preparou um bolo de presente para o bispo. que foi entregue por uma família com uma criança de dois anos de idade.

Dom Luiz fica no Brasil até dia 08 de setembro. Ele veio para testemunhar o casamento de uma sobrinha e para a realização de uma pequena cirurgia. Aos interessados em colaborar com a Diocese de Pemba e conhecer o projeto missionário em parceria com a Diocese de Osasco, basta procurar membros da Comissão Missionária Diocesana (COMIDI).

Por:  Natália Pereira / Pascom Diocesana de Osasco