30 anos

0 128

Dom Paulo Evaristo cria a Região Episcopal Osasco 

“Tenho uma grande gratidão a Deus por me acompanhar com suas graças” (Dom Francisco)

Entre os anos de 1967 e 1968, na Arquidiocese de São Paulo, foram criadas algumas Regiões Episcopais, dentre as quais se destaca a Região Oeste 2, que mais tarde se tornaria a Região Episcopal Osasco, especificamente criada em 30 de dezembro de 1967, por Dom Agnelo Rossi, sob a coordenação do Monsenhor Camilo Ferrarini, sendo mais tarde substituído por Monsenhor Rafael Busatto.

Região Espiscopal é instalada Diocese de Osasco, em maio de 1989. Foto: arquivo BIO

A década de 70 foi muito comemorativa para nossa Região Episcopal, pois em 5 de abril de 1974, surgiu a 1ª edição do Jornal Oeste II, nome escolhido pelo Pe. João Crisóstomo, porém foi apenas em Março de 1978 que surgiu a 1ª edição do Boletim Informativo de Osasco, conhecido como “BIO”, que está na ativa até hoje em nossa Diocese. Em 12 de dezembro de 1974, tendo sido escolhido por sua Santidade, o Papa Paulo VI, foi ordenado bispo (em 25/01/1975), o Monsenhor Francisco Manuel Vieira, sendo designado, em 24 de fevereiro de 1975, a cuidar da Região Episcopal supracitada: “As mãos sacerdotais que podiam batizar, absolver dos pecados, oferecer o Pão da Vida e o Cálice da Salvação, unir os casais em matrimônio, transmitir a confiança e a paz aos que partiam para a Casa do Pai, puderam a partir de 25 de janeiro de 1975, pelo Sacramento da Crisma, multiplicar os jovens apóstolos leigos, como também transmitir a Ordem sacerdotal. Reconhecendo sua fidelidade à Igreja, sua capacidade de administrar, seu zelo pastoral, foi-lhe entregue um rebanho maior” (BIO: Dez/1999).

Em 1977, comemoramos os 25 anos de ordenação presbiteral de Dom Francisco; em agosto, do mesmo ano, surgiu o 1º calendário Pastoral da Região Episcopal Osasco, como também o Plano de Manutenção do Clero. Além disso, no final da década de 70, especificamente, em Abril de 1979, Dom Francisco deu início a fundação do Seminário São José, ligado a Arquidiocese de São Paulo. A casa de Formação São José, assim denominada, também era utilizada como Centro de Treinamento de Agentes de Pastoral, prioritariamente catequistas e lideranças da Comunidade Eclesial de Base (CEB’s). Uma curiosidade é que de todas as Regiões Episcopais, a Região Osasco era única que possuía um seminário.

Ainda nesta década, Dom Francisco, iniciando o processo de organização da Região Episcopal Osasco, dividiu-a em quatro setores, para facilitar a organização pastoral, sendo eles: Santo Antônio, Bonfim, Barueri e São Roque. Após um período de Visita Pastoral a esses quatros setores, Dom Francisco, com o Conselho Setorial de Pastoral, achou por bem criar mais dois setores de pastoral, Carapicuíba e Cotia, ficando assim seis setores.

Brasão de Dom Francisco

Nesta década foram criadas 13 paróquias, sendo elas: 1970: Nossa Senhora Aparecida (Jandira) 1971: Espírito Santo (Osasco), São Paulo da Cruz (Osasco), São Lucas Evangelista (Carapicuíba) e São Pedro (Carapicuíba); 1972: Nossa Senhora das Graças (Barueri); 1973: Nossa Senhora Mãe da Igreja (Barueri); São Domingos “O Pregador” (Osasco); 1977: Nossa Senhora das Graças (Osasco), Nossa Senhora Medianeira de todas as Graças (Itapevi), Cristo Rei (Itapevi); 1979: Nossa Senhora Imaculada Conceição (Caucaia do Alto), Nossa Senhora das Graças (Vargem Grande Paulista), São Francisco de Paula (Alumínio).

Essa história é apenas o começo de uma caminhada que faremos de rememorações desses 30 anos de história, que se iniciaram “pela força de Deus” (In Virtute Dei – Lema Episcopal de Dom Francisco Manuel Vieira).

Seminarista Thiago Jordão

0 135
A concentração teve início às 7h em frente à Tribuna Bento XVI. Foto: Renan Roseno

A Diocese de Osasco realizou no dia 01 de maio, a 14ª Romaria ao Santuário Nacional de Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil. Motivada pelo tema “Com a Mãe Aparecida, rumo aos 30 anos de evangelização”, a peregrinação deu início às festividades da diocese em preparação ao Jubileu de Pérola, que será celebrado em 2019. Foram mais de 300 ônibus e cerca de 16.000 romeiros, além da presença dos bispos, clero, religiosos, religiosas e seminaristas.

Dom João falou, aos fiéis, de sua alegria pelos 30 anos da diocese. Foto: Renan Roseno

Durante a peregrinação foram apresentadas as relíquias de Santo Antônio, padroeiro da diocese, e de São João Paulo II, eleito o co-padroeiro diocesano. As relíquias estarão em peregrinação por todas as paróquias, durante este ano.

Dom João frisou a importância da presença das relíquias nas comemorações do jubileu, “destaco que as relíquias, de nossos padroeiros, estarão em peregrinação por todas as 88 paróquias de nossa diocese, nas mais de 500 comunidades e aos quase 2 milhões de habitantes, que vivem nas 13 cidades de nossa diocese”.

Na Santa Missa celebrada às 9h no Santuário, Dom João em um breve comentário, mencionou que a diocese deve sempre lembrar-se de Dom Francisco Manuel Vieira, primeiro bispo de Osasco e Dom Ercílio Turco, o bispo Emérito, pela dedicação e trabalhos realizados por eles ao longo dos 30 anos de sua criação.

A missa foi presidida por Dom João, e concelebrada por D. Ercílio Turco (bispo emérito) e padres da diocese. Foto: Renan Roseno

0 319

Uma jovem e amadurecida diocese

Em abril de 2019, a nossa querida diocese de Osasco estará completando 30 anos, desde a sua criação, determinada pelo Papa São João Paulo II. Em maio, dia 1º, 30 anos de sua instalação. A mesma bula papal separava da Arquidiocese de São Paulo as dioceses de Santo Amaro, Campo Limpo, São Miguel Paulista e Osasco. Quatro irmãs gêmeas, destinadas a ser dioceses grandes, populosas, e, também, ricas em vitalidade pastoral, formadas por uma corajosa periferia urbana que aliava a fé intensa e o compromisso social. Osasco teve como primeiro bispo aquele que era já auxiliar de Dom Paulo Evaristo, Dom Francisco Manuel Vieira. A matriz de Santo Antônio passou a ser Catedral, e o número de paróquias, que na época eram 43, hoje mais que dobrou.  Eram 46 padres diocesanos, hoje chegamos aos 100. As Congregações Religiosas abriram caminhos, formaram comunidades, ensinaram, e junto com o clero diocesano alimentaram a fé dos mais de 1 milhão e meio de habitantes que moravam na diocese. Hoje são 2 milhões e meio, e as comunidades em torno às 88 paróquias chegam a quinhentas. Dom Ercílio Turco, que esteve à frente da diocese quase a metade desses anos, me segredou com seu jeito retraído dizendo assim: “O Senhor vai ter muita alegria aqui. É uma diocese muito boa”. Tinha razão.

Vamos então ter, a partir da Romaria do próximo 1º de Maio, um ano inteiro de preparação para o Jubileu de Pérola da Diocese de Osasco. E não será um ano de espera, mas um ano de caminhada. Vejam: neste ano temos programadas as visitas do Bispo em cada Região Pastoral. As Regiões agora são nove, com a chegada das três novas: São José Operário, Ibiúna e Itapevi. Isso significa mais proximidade, mais organicidade, mais facilidade na formação e na troca de experiências.

Teremos também durante este ano a visita peregrina das relíquias de Santo Antônio, padroeiro da diocese, e de São João Paulo II, aquele que criou a Diocese. A nossa Catedral, que está sendo restaurada e ampliada, receberá, no final da peregrinação, as relíquias, e faremos a proclamação de São João Paulo II como co-padroeiro Diocesano. Ainda este ano teremos em andamento o projeto vocacional “Cada Comunidade uma Nova Vocação”. Esse projeto, que foi lançado na Missa do Crisma, está se espalhando por todo o Brasil, mas para nós tem um sabor especial: são 15 anos do ComVocacão, o nosso maior evento vocacional, pelo qual devemos dar muitas graças a Deus. Tudo isso ocorre em meio ao Ano do Laicato, que deverá também produzir muitos frutos de participação e compromisso dos nossos Leigos e Leigas, na Igreja e no mundo.

Nesse ano também estaremos experimentando os primeiros passos da Missão em Moçambique, com os Diáconos Rafael e Denis, integrando a Missão do Regional Sul 1 da CNBB. Nosso compromisso será de rezar por eles e ajudar materialmente a missão. Mas, mais que isso, queremos receber as bênçãos de Deus para nos tornar mais ainda uma “Igreja em saída”, um renovado empenho missionário aqui mesmo em nossas comunidades, um Laicato que seja no mundo luz e sal, a serviço do Evangelho.

Romaria Diocese, maio de 2017.

O primeiro passo é a nossa Romaria. Mesmo sendo dia de São José Operário, a presença e participação de todas as paróquias é importante. Vamos chegar ao 1º de maio de 2019 com um legado forte e significativo, fruto que permaneça em nossas almas, e para as gerações futuras, um jubileu digno de uma diocese que começou uma história tão abençoada e heroica, e toma esse passado com respeito, com olhar de esperança.

Dom João Bosco, ofm
Bispo Diocesano de Osasco
Instagram @d.freibosco